perdas no processo produtivo

Como reduzir perdas no processo produtivo da sua empresa

Toda empresa, independente do segmento em que atua, busca por processos mais enxutos e, claro, uma maior lucratividade. Por isso, a busca por melhorias deve ser constante, juntamente com a identificação de falhas e a redução de perdas no processo produtivo.

É importante dizer que este desafio é de todos, não somente da gerência, afinal, reduzindo as perdas, o processo se torna mais ágil e o cliente mais satisfeito. Além disso, esta eliminação pode resultar ainda na redução de custos, podendo agregar em uma maior qualidade ao produto, produtividade e segurança aos trabalhadores.

E para você compreender como aplicar isso na prática, ao longo deste artigo vamos explorar as melhores formas de reduzir as perdas na sua produção. Confira!

Por que ocorrem as perdas no processo produtivo?

Todos os dias, negócios de todos os portes têm um desafio em comum: reduzir as perdas da cadeia produtiva. Desperdícios de recursos, tempo e matérias-primas podem acontecer por diversos motivos, principalmente má gestão e a falta de planejamento.

É preciso um trabalho de monitoramento constante para conseguir identificar os desperdícios e, consequentemente, maneiras para reduzir as perdas na produção. Em geral, os desperdícios podem ser visíveis e podemos destacar dois deles entre os mais perceptíveis:

  • Produção excessiva no chão de fábrica;
  • Problemas nos equipamentos e maquinários.

No entanto, algumas fontes de desperdícios podem estar ocultas, como o excesso de setups nos maquinários, planejamento da produção inadequado, erros e falhas humanas nas etapas produtivas. 

Continue a leitura deste artigo e descubra quais são os tipos de perdas mais comuns nas empresas.

Tipos de perdas no processo produtivo

Existem diversos tipos de perdas e desperdícios em um processo produtivo. Para que você possa identificá-los é preciso, antes de mais cada, um conhecimento profundo da sua cadeia produtiva. Só assim você poderá perceber com clareza quais deles estão acometendo o seu processo.

A grande parte das perdas podem ser agrupadas em 4 tipos, conforme listamos abaixo. Confira! 

1 – Perda por espera ou falhas no equipamento

Esta é uma das perdas mais fáceis de se identificar e ocorre quando um produto em processamento está esperando para que a próxima etapa possa ser realizada. Os principais motivos que levam a isso é a falta de nivelamento entre os processos ou mesmo por uma parada inesperada do maquinário. 

Como parada inesperada, pode-se dizer que seja por falta de manutenção da máquina ou qualquer tipo de falta de cuidado ou mesmo falta de conhecimento por parte dos operadores. Manutenções programadas não estão incluídas nestas perdas.

Esse tipo de perda impacta significativamente o lead time de produção da maioria dos produtos, assim, também apresenta grandes oportunidades de melhoria. 

sistema de gestão da produção

2 – Perda por falha ou por processamento desnecessário

Que a parada das máquinas pode acarretar em perdas no processo já sabemos, mas você sabia que essas paradas podem ter origem em um processamento incorreto? Muitas vezes acúmulo de pó e outras sujeiras e vazamentos devido à corrosão, folgas excessivas e trincas podem desencadear danos e panes nas máquinas, levando a erros no processamento.

Já o processamento desnecessário é uma etapa do processo que não agrega valor ao produto e é completamente dispensável do ponto de vista do cliente. Ela pode ser eliminada quando se tem um completo entendimento e conhecimento da cadeia e demandas mercadológicas.

É importante também observar o momento da perda intensamente, levando em consideração as diversas variáveis que podem estar relacionadas, como um problema em um componente, periférico ou ferramenta acoplada.

Além disso, deve-se ter o hábito de reportar imediatamente a falha, para que assim ela possa ser estudado e traçado algum plano para que não corra mais.

3 – Perda por defeito no produto

Quando um produto apresenta um defeito de fabricação existem duas alternativas: reprocessamento ou descarte. Independentemente de qual for a mais indicada, ambas acabam gerando um impacto financeiro significativo devido aos recursos aplicados que foram desperdiçados. Se esta falha for pega por um cliente, além do dano financeiro, haverá também uma perda da confiança por parte do seu cliente.

Sempre que ocorrer alguma perda por falha de processamento, é necessário um estudo para identificar a causa que levou à falha, para que possa ser evitada futuramente. Existem algumas técnicas que podem auxiliar, como o diagrama de Ishikawa e os 5 porquês.

4 – Perda de materiais e energia

Esse tipo de perda envolve as perdas que ocorrem durante o transporte, movimentação de itens e também por superprodução. Para que você consiga reduzir estas perdas de materiais de consumo, matéria-prima, aditivos e de energia, a chave é a simplificação de processos. Afinal, quanto mais etapas seu produto passar, maiores as chances de erros e falhas.

Essa simplificação pode ser a retirada de equipamentos ou meios de transportes e deve ser estudada por profissionais especializados para que a qualidade dos seus produtos não seja prejudicada. Mudanças no layout da produção também podem funcionar e geralmente são mais baratas quando comparadas com outros tipos de investimentos e causam um grande impacto no resultado operacional.

Por fim, a superprodução resulta em estoque cheios que, por sua vez, representa um capital parado e ainda gera custos de armazenamento dos itens. Para isso, as áreas técnicas precisam analisar criteriosamente a demanda do mercado, a capacidade de produção e até melhores acordos com fornecedores.

5 dicas para reduzir as perdas no processo produtivos

Existem uma série de medidas que podem ser adotadas na sua empresa a fim de reduzir as perdas no processo produtivo e promover melhorias. Abaixo, listamos 5 dicas que, com certeza, irão auxiliar neste processo.

1 – Avalie sua cadeia produtiva

Comece entendendo o fluxo de trabalho da sua indústria, avalie seu processo e tente encontrar eventuais gargalos, situações problemáticas que se repetem com frequência e ideias para aliviar estes desafios. Além de tornar sua produção mais ágil, esta prática poderá contribuir para a redução de perdas no seu processo.

2 – Analise o sequenciamento da sua produção

Após avaliar seu fluxo de trabalho, crie um sequenciamento objetivo, transparente e claro para que todos os envolvidos entendam as suas responsabilidades, compreendam o tempo produtivo necessário para suprir a demanda e consigam desenvolver esse trabalho sem imprevistos.

A ideia é, basicamente, otimizar a sua produção com um número menor de etapas, e maior objetividade na linha de frente. E de maneira padronizada, o que confere mais controle e facilidade no trabalho rotineiro.

3 – Torne sua produção enxuta

Esta dica complementa a anterior, já que você precisa avaliar maneiras de garantir a capacidade produtiva de acordo com a sua demanda. Para isso é fundamental que você evite sobrecarregar o estoque, pois isso acaba gerando prejuízos para o seu negócio.

Logo, é importante que você tente padronizar os trabalhos para que consiga reduzir as perdas e assim, todos saibam, exatamente, o quanto produzir para atender à capacidade de sua indústria e garantir um trabalho linear e de fácil avaliação.

4 – Avalie a logística dos materiais

O processo logístico é bastante amplo e vai desde o armazenamento de matérias-primas até o transporte de suas soluções.

Para tanto, isso deve ser avaliado lá na primeira etapa, no diagnóstico de todo o fluxo de trabalho. Com base nisso, deve ser fácil identificar quais são os grandes prejuízos que ocorrem no dia a dia, permitindo uma tomada de decisão mais ágil e eficiente.

5 – Invista em tecnologia

Por fim, poder contar com o apoio da tecnologia é fundamental para tornar a sua gestão mais ágil e assertiva. O uso de um sistema ERP proporciona controles completos de toda a sua produção, estoque, expedição, compras, financeiro e vendas.

Com ele você terá muito mais clareza ao analisar as demandas, controle de matérias-primas e da produção como um todo. Ele ainda auxilia no processo de redução  das perdas na produção por meio de inspeções de qualidade e gestão de indicadores em tempo real. Algo que qualifica o monitoramento dos mais diversos relatórios gerenciais e de produção da sua empresa.

Como você pode perceber, o uso de um ERP é fundamental para ter um controle mais apurado de toda a sua produção, inclusive das perdas. Além disso, ele ainda contribui para a gestão de todos os setores da empresa, pois é capaz de integrar todas as informações de forma ágil. Aproveite e saiba mais sobre as vantagens do uso de um ERP para as indústrias

Deixe um comentário

onze − oito =